Videogames podem melhorar a saúde de crianças com obesidade

Videogames podem melhorar a saúde de crianças com obesidade

 

Video-Game e Obesidade: Estudo mostra que há melhora na saúde

Videogames podem melhorar a saúde de crianças com obesidade

Um novo estudo do Pennington Biomedical Research Center da LSU mostrou pela primeira vez que os videogames, em combinação com o preparo físico e um rastreador, ajudaram as crianças com excesso de peso a perder peso, baixar a pressão arterial e o colesterol e aumentar sua atividade física.

Os resultados do estudo GameSquad estão disponíveis on-line e serão publicados na próxima edição especial da revista Pediatric Obedity.

“As crianças que ficam acima do peso e não são fisicamente ativas podem desenvolver sinais precoces de doenças cardíacas e diabetes. Elas também podem ter asma, apneia do sono e outros problemas psicológicos e de saúde que o excesso de peso e obesidade podem trazer”. Dra. Amanda Staiano, PhD, diretora do Laboratório de Obesidade Pediátrica e Comportamento de Saúde da Pennington Biomedical e investigadora principal do estudo.

Em Louisiana, uma em cada três crianças (35,3%) com idade entre 10-17 está acima do peso ou tem obesidade, e uma em cada cinco (21,1%) tem obesidade, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças. Todos tem risco de desenvolver sérios problemas de saúde. “Exergaming”, ou jogar videogames que exigem atividade física, podem ajudar.

“As telas estão por toda parte em nossas vidas, e elas estão aqui para ficar. As crianças passam metade de suas horas na frente das telas”, disse o Dr. Staiano. “Estou procurando maneiras de usar essas telas – smartphones, computadores, televisores e tablets – para incorporar mais atividade física às vidas das crianças”.

O estudo GameSquad registrou 46 crianças com idades entre 10 e 12 anos que estavam acima do peso ou tinham obesidade. Metade eram meninas e mais da metade eram afro-americanas. O estudo distribuiu aleatoriamente crianças para um grupo de “jogo” de 23 famílias ou um grupo de controle de 23 famílias.

O grupo de jogos foi incentivado a cumprir as recomendações nacionais de 60 minutos por dia de atividade física. As crianças receberam um Xbox 360, Kinect e quatro “exergames” e foram convidadas a jogá-los em casa com um amigo ou membro da família por seis meses. Eles também receberam um “livro de desafios” para completar três sessões de jogos de uma hora por semana e um Fitbit para acompanhar seus passos todos os dias. Cada criança e pais também participaram de chats de vídeo regulares no console de videogame com um treinador fitness da Pennington Biomedical para monitorar seu progresso.

Os membros do grupo de controle não foram solicitados a fazer qualquer mudança em seu comportamento. Estas famílias receberam os “exergames” e consoles no final do estudo de seis meses.

Vinte e duas das 23 famílias do grupo de jogadores terminaram o programa de seis meses. As crianças e os pais do grupo de jogos completaram 94 por cento das sessões de jogos e participaram de 93 por cento das sessões de vídeo-chat. “Quando você não intervém com crianças que estão com sobrepeso, muitas vezes seus fatores de risco de saúde e comportamentos de saúde pioram com o tempo”, disse o Dr. Staiano. “Então, infelizmente, não ficamos surpresos ao ver que as crianças do grupo de controle aumentaram a pressão arterial e o colesterol e diminuíram a atividade física durante o período de seis meses”.

Crianças no grupo de jogos:

  • Reduziram seu índice de massa corporal em cerca de 3%, enquanto o grupo controle aumentou seu IMC em 1%.
  • Reduziram o colesterol em 7% enquanto o grupo controle aumentou o colesterol em 7%. Em outras palavras, as crianças do grupo de jogos permaneceram na faixa saudável. O aumento nos níveis de colesterol do grupo de controle os empurrou para a categoria limítrofe de colesterol alto.
  • Aumentaram sua atividade física em 10%, enquanto o grupo controle diminuiu sua atividade física em 22%.
  • Aumentou sua auto eficácia, ou sua crença no controle pessoal, em relação à atividade física, que prediz a aderência ao exercício.

Artigo originalmente publicado em Science Daily.